Mortes por Dengue alcançam recorde em 2022

Especialista dá dicas de como driblar a proliferação do inseto na época do verão  

Altas temperaturas e aumento no acúmulo de água da chuva é a combinação perfeita para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, zika e Chikungunya.

Em 2022, foram confirmados 1.086 óbitos no Brasil de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde no início desde mês. O número representa o novo recorde anual de óbitos pela doença no país, superando em 10% o maior patamar anterior, de 985 mortes, registrado em 2015.

Cuidados na organização e limpeza caseira ajudam no controle do mosquito. Algumas ações básicas podem mudar o cenário da doença para o verão de 2023, afirma o especialista, Jeferson de Andrade, pesquisador de Desenvolvimento de Produto e Mercado da BASF.

“Um programa de controle do mosquito A. aegypti requer um trabalho conjunto de toda a sociedade. Não há inseticidas ou larvicidas que, por si só e de forma isolada, possibilite resolver um tema tão complexo. Todos nós fazemos parte da solução. Os inseticidas são uma das ferramentas deste trabalho”, garante.

De acordo com o pesquisador, o conhecimento é o maior aliado na prevenção das doenças e no controle do vetor.

“Para um controle eficaz do mosquito, é essencial conscientizar a população através de medidas simples, como usar telas nas portas e janelas, colocar areia nos vasos de plantas, manter sempre a residência livre de entulhos e outros possíveis locais de criadouros de larvas e colaborar com os agentes de saúde pública para proteger toda casa contra o mosquito”, informa.

“Além disso, empresas especializadas no controle de pragas urbanas também podem ser acionadas para aplicação de inseticidas e outras técnicas de controle em áreas com maior incidência de casos”, finaliza Jeferson.