IVVI tem índice de recuperação superior ao nacional

   Dia 20 de fevereiro, é o Dia Nacional de Combate às Drogas e Alcoolismo. No Brasil, estudos mostram que o aumento do consumo de álcool, entre outras drogas, tem se agravado no contexto da pandemia da COVID-19.
   Pesquisa realizada nesse período pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em conjunto com outras instituições, verificou que, dos 3.633 participantes, 30% relataram aumento no consumo de álcool e outras substâncias.
   Diante da relevância social do tema o Jornal O Progresso entrevistou a psicóloga do IVVI (Instituto de Valorização da Vida de Ituverava), tendo em vista o trabalho realizado pela entidade filantrópica neste segmento, com a finalidade de alertar e sensibilizar a comunidade sobre a importância da prevenção e do tratamento referente ao uso indevido de álcool e outras drogas.
   IVVI
   Fundado em dezembro de 1999, o IVVI apresenta um número expressivo de atendimentos: cerca de 4,1 mil pessoas já passaram por tratamento contra a dependência química. A instituição possui um índice de recuperação superior ao da média nacional, de acordo com a Secretaria Nacional sobre Álcool e Drogas (SENAD).
   A entidade recebe auxílio financeiro da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (SENAPRED). Filiado à Federação Brasileira das Comunidades Terapêuticas (FEBRACT), o IVVI possui hoje 20 acolhidos, com idades entre 18 e 53 anos, que contam com atendimentos social e psicológico, além da ajuda terapêutica, no tratamento da doença da dependência química.
   Para complementar os atendimentos, alimentação, manutenção e tratamentos, bem como as despesas fixas – água, energia, telefone, aluguel e folha de pagamento – a instituição necessita de doações da população de Ituverava e região.
   A proposta da comunidade é trabalhar a promoção de valores e princípios, utilizando a Programação dos 12 Passos. São realizados grupos de Prevenção à Recaída (PPR), Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), aprendem o valor de seu trabalho, nas atividades de manutenção da fazenda (laborterapia). Na área terapêutica, valores importantes são resgatados entre os acolhidos: disciplina, higiene, alimentação saudável, mudança comportamental e espiritualidade.
   Mais recentemente, o IVVI fundou o NAF (Núcleo de Apoio à Família “José Plínio Romanini”), no prédio onde funcionou o Colégio Anglo, cedido pela Família Romanini e tem a finalidade de oferecer atividades esportivas, culturais e educativas visando a prevenção ás drogas, principalmente para crianças e adolescentes.
   O tratamento dos residentes, no entanto, é realizado na Fazenda Pouso Alto, que fi ca na antiga estrada de Ituverava a Guará na sequência da Rua Coronel Dionísio Barbosa Sandoval. Conforme explica a psicóloga do IVVI, Juliana Martins Silva Nascimento, o IVVI tem também procurado apresentar à sociedade a problemática em decorrência das drogas visando a prevenção e o tratamento quando necessário.
   “A partir do alerta e conscientização da população sobre os malefícios decorrentes do uso indevido dessas substâncias que afetam tanto o indivíduo como a sociedade”, afirma.
   Segundo ela, o vício em drogas pode levar as pessoas a problemas financeiros, falta de moradia, atividades criminosas e prisão entre outros males que prejudicam toda família da pessoa envolvida com o consumo.
   “A deterioração das circunstâncias pessoais aumenta os níveis de estresse, depressão, ansiedade e outras condições de saúde mental, o alcoolismo é uma doença complicada que envolve a incapacidade de parar de tomar uma substância ou de realizar um comportamento particularmente prejudicial”, explica.
   A psicóloga esclarece que “o uso de drogas está envolvido com diferentes fatores, sejam externos ou internos, sendo por uma simples curiosidade ou tendo a ver com a própria pessoa”.
   Ela ainda enumera: “Podendo considerar a busca por sensação de prazer e felicidade, fuga de sofrimento emocional e influência de amigos.”
   “Algumas pessoas começam pela curiosidade de conhecer os efeitos dessas substâncias, acreditando que nunca se tornará um dependente químico. E isso, pode se tornar prejudicial para a sua vida, onde não conseguirá parar com o uso sozinho”, alerta a profissional.
   A população pode ajudar o IVVI participando das campanhas de telemarketing e outras ações para arrecadação de fundos como destinação do imposto de renda para a instituição.
   Equipe
   Além de Juliana, o IVVI conta com as também psicólogas Luana Martins e Anna Carolina de Paula Fonseca. A equipe é formada ainda pela Assistente Social Cristiane Machado Garcia de Almeida, a nutricionista Luciana Conceição Martins Silva Nascimento, os Conselheiros Gustavo Leonel Martins e Marcelo Henrique da Silva. A diretoria tem como presidente Dr. Fábio de Oliveira Alves e vice-presidente José Constantino da Silva (Tino) e diretor financeiro Marcos Carlos Augusto entre outros membros voluntários.